O QUE ELES ESCONDEM

sábado, 7 de outubro de 2017


Brancos, ricos e perigosos

                                                              Por António Santos





Em jargão policial estado-unidense, «não há nada que permita ligar este tiroteio ao terrorismo» quer apenas dizer «não há provas de que o atirador fosse muçulmano». Arrumações casuísticas à parte, o ataque indiscriminado que este domingo fez 59 mortos e cinco centenas de feridos num concerto em Las Vegas entra para a tétrica contabilidade dos tiroteios americanos como um dos mais mortíferos da história moderna dos EUA, somente atrás do massacre de nativos em Wounded Knee (quase 300 mortos) e da repressão dos mineiros em greve de Blair (cerca de 100 mortos).
E, estranhamente, o que nesta chacina inspira terror é justamente o que, para a Casa Branca, exclui a classificação de terrorismo: a inquietante possibilidade de Stephen Paddock, um discreto milionário de 64 anos, ter acordado um dia e decidido fazer chover milhares de balas sobre uma multidão de desconhecidos. Só porque sim. Como James Holmes, o brilhante estudante de neurociências, numa sala de cinema, ou Adam Lanza, o tímido jovem de um subúrbio rico, numa escola primária.
Não, não estamos a falar de um ou dois «loucos» nem de, como se lhes convencionou chamar, «lobos solitários». O Congresso dos EUA define um «tiroteio em massa» como um ataque com arma de fogo contra pelo menos quatro pessoas seleccionadas aleatoriamente. Nos EUA houve 1515 ataques deste tipo nos últimos 1735 dias. Só em 2016, foram 383 tiroteios, mais do que um por dia, contra vítimas aleatórias, fazendo mais de 15 mil mortos num só ano. No que já vai de 2017, as estatísticas não são menos sombrias: 273 tiroteios em massa, quase todos sem razão aparente e levados a cabo por «lobos solitários». A questão é que 275 «lobos solitários» são uma alcateia.
Alcateia de humanos solitários
Segundo o site de informação Mother Jones, mais de metade dos autores dos tiroteios em massa encaixa-se numa estreita cofragem demográfica: homens, brancos e com rendimentos acima da média. Deveria Trump proibir a entrada nos EUA, à guisa do que tem feito com algumas nacionalidades, das pessoas que se encaixem neste molde? É claro que não. E ainda assim, este é um elemento central para um debate urgente sobre a saúde pública, o uso e porte de armas, a decadência cultural do capitalismo e a guerra imperialista.
Nos EUA, a guerra imperialista é uma constante ininterrupta há mais de 70 anos. Todas as gerações de estado-unidenses vivos têm uma relação pessoal ou familiar com a invasão e ocupação de outros países do mundo. Vietname, Coreia, Colômbia, Iraque, Afeganistão… a lista é infinitamente traumática e faz-se ao som de bombas, tiros, gritos e choros.
O preço psicológico da participação, prolongada e massiva, da sociedade estado-unidense neste dilatado crime de guerra foi uma patologia social, como que um «stress pós-traumático em massa» cujos sintomas mais visíveis são o culto da violência e a insensibilidade perante o sofrimento alheio. Juntemos a completa ausência de cuidados de saúde mental, 89 armas por cada 100 habitantes e a mais alta taxa de homicídios da OCDE e temos um explosivo nas mãos. O rastilho é o individualismo patológico: a ideia de que são ricos todos os que trabalharam para merecê-lo ou são suficientemente inteligentes e que, do outro lado do espelho, os pobres merecem o desprezo dos ricos e o ódio de si próprios. Quem atomiza uma sociedade, desligando o indivíduo do colectivo, faz do ser humano um «lobo solitário». E de um país uma alcateia inteira.

Este artigo foi publicado aqui


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Sabe-se que Trump ganhou as eleições com menos 3 milhões de votos que a sua adversária e que já antes, Bush filho havia chegado à presidência através de fraude eleitoral.
Sabe-se que os candidatos finais às eleições americanas só o são se financiados pelos milhões e milhões de dólares da indústria do armamento, por exemplo.
Sabe-se menos, ou é de todo desconhecido, o que o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela denunciou, perante a Assembleia Geral da ONU, em resposta às ameaças de intervenção militar e sanções ao seu país, e a muitos outros, feitas ilegalmente por Trump, violando a Carta das Nações Unidas.



Vídeo a partir do minuto 7:

Os EUA são o principal violador dos Direitos Humanos, não só no próprio país mas em todo o mundo:

- guerras injustificadas;
- bombardeamentos sobre população civil;
- prisões clandestinas com aplicação de métodos de tortura;
- imposição de medidas unilaterais e ilegais contra economias de vários países;
- único país que utilizou armas nucleares contra outro povo;
- liderou a invasão do Iraque em 2003, vulnerando a Carta das ONU, sob mentiras, provocando 1 milhão de mortos;
- não ratificou 62% dos principais tratados sobre Direitos Humanos;
- não existem, nos EUA, instituições independentes para a defesa e promoção dos Direitos Humanos;
- relatório da ONU sobre execuções extrajudiciais e arbitrárias denuncia falta de independência do poder judicial;
- confinamento solitário é prática estendida;
- 3,5 milhões de estado-unidenses não têm casa, dos quais 1,5 são crianças;
- 28% dos pobres não têm qualquer protecção na doença;
- taxa de mortalidade materna aumentou vertiginosamente nos últimos anos;
- 10 mil crianças estão detidas em prisões para adultos;
- as crianças podem ser condenadas a prisão prepétua. 70% destas crianças são afro-americanas;
- o relatório especial da ONU para a Educação denunciou o uso de descargas eléctricas como meio físico de coerção em centros educativos;
- EUA é um dos 7 países que não ratificaram a Convenção para a Eliminação e Discriminação contra a Mulher;
- a licença remunerada por maternidade não é obrigatória;
- mais de 10 milhões de afro-americanos vivem na pobreza e metade deles em situação de miséria;
- a 13ª Emenda admite a escravatura como modalidade de condenação penal






quinta-feira, 28 de setembro de 2017

quarta-feira, 20 de setembro de 2017


Os eurodeputados da Esquerda Unida Europeia organizou uma exposição de desenhos para comemorar os 60 anos da UE.
Das 28 caricaturas seleccionadas, o Parlamento Europeu censurou 12. Estas são algumas delas:








domingo, 10 de setembro de 2017

Liberdade de Expressão
II

Os principais canais de televisão portugueses oferecem-nos, no chamado horário nobre, imediatamente a seguir ao telejornal das 20 horas, os comentários de Morais Sarmento, Marques Mendes e José Miguel Júdice, respectivamente na RTP1, SIC e TVI.
Sabe-se que o primeiro é dirigente do PSD/PP, foi Ministro duas vezes, uma delas com a tutela da RTP; que o segundo é Conselheiro de Estado, foi deputado, duas vezes Secretário de Estado, duas vezes Ministro e dirigente do PSD/PP e que o último foi dirigente do PSD.
Menos gente conhece as ligações directas destes indivíduos a grupos económicos e financeiros e o papel que têm desempenhado no roubo ao Estado, através das privatizações das empresas que mais lucro davam ao país, das comissões pagas pelo seu “trabalho” de intermediários nestes negócios ou em contratos por ajuste directo com o Estado.
Eis exemplos, alguns retirados do livro de Gustavo Sampaio, Os Facilitadores, 2014:



Morais Sarmento é sócio, desde 2000, da sociedade de advogados A. M. Pereira, Sáragga Leal, Oliveira Martins, Júdice e Associados – PLMJ.
Em 2004, Durão Barroso designa-o para gerir politicamente a privatização da Galp Energia, ao mesmo tempo que a PLMJ assessorava juridicamente o governo nesta privatização, recebendo 1 milhão de euros por cada duas semanas de serviços prestados. Um ano depois do “trabalho” feito, Morais Sarmento volta ao seu lugar na PLMJ.
Enquanto Ministro com a tutela da RTP (2004) defendeu ser necessário “haver limites à independência” da RTP.


Marques Mendes foi presidente da assembleia-geral da Sartorial (Sociedade Financeira de Corretagem, cuja licença foi revogada pelo Banco de Portugal, em 2015). Em 20 / 1 / 2014, o Jornal de Notícias informava que “O Fisco detectou vendas ilegais de acções da Isohidra feitas por Marques Mendes, em 2010 e 2011, e que terão lesado o Estado em 773 mil euros”. Interrogado pelo jornal, Marques Mendes declarou “falta de memória sobre o assunto”.
De 2007 a 2011 foi administrador executivo da Nutroton Energias. Em 19/11/2010 esta empresa obtém um contrato por ajuste directo com a GNR, por 4.465,25 euros e com a Administração Regional do Centro, por 12.300 euros. Em Janeiro de 2010 a Nutroton Energias comprou 50% da Floponor, que até nunca havia tido contratos com o Estado. A partir desta altura, celebrou 18 contratos por ajuste directo no valor de 11.966.572,73 euros.



José Miguel Júdice foi membro do MDLP, organização terrorista que, no “verão quente” de 1975, atacou à bomba centros de partidos de esquerda e sindicatos, provocando mortos e feridos (Ver o livro de Miguel Carvalho, Quando Portugal Ardeu, 2017).
É membro do Conselho Estratégico do Banco Finantia, SA e sócio fundador da PLMJ, a mesma sociedade de advogados de Morais Sarmento, que esteve envolvida na assessoria jurídica de todas as mais importantes operações de fusão e privatização que aconteceram em Portugal (Zon Optimus, BPN, EDP, REN, CTT, Caixa Seguros). Esta sociedade tem como clientes algumas instituições públicas, como a Partpública, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a Autoridade Nacional de Comunicação (ANACOM), por ex., mas sobretudo clientes privados – Galp Energia, Grupo Américo Amorin, Jerónimo Martins, Volkswagen Bank, Zon Multimédia, Finibanco, Deutsche Bank, BCP, Banco BIC português, Crédit Suisse, etc, etc.

Na verdade, há liberdade de expressão em Portugal – a deles.



O texto que se segue foi publicado, neste blogue, em 10 / 7 / 2014. Tudo o que aqui é dito continua a ser verdade e a pergunta que se impõe é: Será isto uma democracia? 


DOS RATOS E NENHUM HOMEM

O movimento Occupy Wall Street generalizou a ideia de que há 1% de indivíduos que vive à custa dos restantes 99%.
É verdade que esse 1% detém, obscenamente, a maior parte da riqueza de um país. No entanto, para que isto aconteça, é necessário que haja um conjunto de capatazes que, a troco de salários milionários, zelem pela fortuna dos patrões.

São uns 9% da população, os que exercem esta função, quer directamente nas administrações, quer em universidades, meios de comunicação ou partidos políticos, onde reproduzem e difundem a ideologia que convém ao 1% dominante.
Temos, assim, 10%, que, na maioria dos países da OCDE, acumula mais de 50% do capital. 

Em Portugal, caso extremo desta desigualdade, 32 famílias detêm o equivalente a 11% do PIB, se se considerar apenas o valor das acções, e 150 declaram, em IRS, mais de 1 milhão de euros por ano. Segundo dados do banco suíço UBS, que englobam todas as formas de rendimento, são 817 as pessoas cuja fortuna ultrapassa os 22,4 milhões de euros, num total de 75 mil milhões, correspondendo a metade do PIB nacional ou ao resgate financeiro da Troika. Este mesmo banco registou, em 2013 (ano de grande empobrecimento da maioria da população), mais 85 indivíduos que passaram a pertencer àquele grupo, assim como o aumento das fortunas já existentes.
Estes correspondem ao 1%. Têm nomes e apelidos, alguns sobejamente conhecidos, como Soares dos Santos, que, descaradamente, não paga quase um cêntimo de impostos em Portugal, ou Pinto Balsemão, o patrão dos meios de comunicação que divulgam as mentiras formatadoras da opinião pública. A lista completa, respectivas fortunas e empresas de que são accionistas podem ser consultadas na obra de Francisco Louçã, João Teixeira Lopes e Jorge Costa, OS BURGUESES, Bertrand Ed, 2014, de onde retirei a maior parte da informação apresentada neste artigo. O estudo de Eugénio Rosa OS GRUPOS ECONÓMICOS E O DESENVOLVIMENTO EM PORTUGAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO, Lisboa, 2013, que os autores anteriores citam, tem, igualmente, enorme interesse para perceber como aquelas fortunas foram perpetuadas, umas, e conseguidas, outras, com os diferentes governos constitucionais da chamada democracia, que sempre estiveram ao seu serviço e apenas ao seu serviço.

E é aqui que se encontra o verdadeiro problema - no governo e aparelho de Estado ao mais alto nível -, onde encontramos uma boa parte dos tais 9%, que decidem das políticas a adoptar, invariavelmente a favor daqueles a quem servem – o 1% que lhes paga bem, para que lhes defendam os interesses, contra a maioria do país.
Vale a pena dar alguns dados para se ver melhor como funciona esta promiscuidade entre os políticos, que se erigiram em casta, e o grande capital.

Entre 776 ministros e secretários de Estado (296 do PSD, 295 do PS, 54 do CDS), dos governos constitucionais que já tivemos, 90% passaram, logo a seguir, para as grandes empresas, sobretudo como administradores:
- 170 para os grandes grupos empresariais;

- 100 para o BCP, EDP e PT:
- 140 para as empresas do PSI20 (as 20 maiores empresas, cotadas em Bolsa)

- 107 para as empresas com contratos de Parceria Público-Privada (PPP). Aqui é de realçar dois casos dos mais escandalosos: Joaquim Ferreira do Amaral (PSD), responsável, enquanto ministro, pela PPP com a Lusoponte (ponte Vasco da Gama), veio a presidir este consórcio. Sérgio Monteiro, actual secretário de Estado, escolhido por Passos Coelho para, além de destruir o serviço de transportes públicos e privatizar os que dão lucro, ser o responsável da negociação das PPP’s, de que foi co-autor como representante da Caixa Geral de Depósitos.
- 7 em 18 ministros das Obras Públicas ou Equipamento Social foram, depois, para empresas destes sectores. Os outros seguiram diferentes vias, como António Mexia (PSD) para a EDP ou Mário Lino (PS) para a presidência do Conselho Fiscal dos Seguros da CGD. Um caso ilucidativo é o de Jorge Coelho, antes, funcionário da Carris e, depois, com o que aprendeu em construção civil no governo de Guterres, passou para a Mota-Engil.

- 14 ministros das Finanças, dos 18 governos constitucionais, prosseguiram ou fizeram carreira na banca privada ou em instituições financeiras (7 em 8 do PSD, 5 em 7 do PS, 1 em 2 do CDS). Do governo de Passos Coelho, temos já Vítor Gaspar no FMI. O ministro das Finanças do 1º governo constitucional, Medina Carreira, o impoluto, foi quem inaugurou a dança, entrando para o Crédito Predial Português e Banco Português de Gestão.
Há, certamente, a lastimar alguns secretários de Estado, pois apenas 43% deles tiveram oportunidade de entrar para os grandes grupos, empresas do PSI20 ou com PPP’s, contra 61% dos ministros. Sempre é melhor ser ministro!

E, para muitos, a passagem pelo governo foi o início de uma bela e lucrativa carreira, que, diga-se, havia sido construída, com muito suor, nas fileiras dos respectivos partidos. Assim, temos:
- 187, 1 em cada 4 indivíduos que passaram pelo governo, ganharam, pela primeira vez na vida, o título de administrador ou de empresário.

Um dos tirocínios por que estes videirinhos passam é o de deputado da Assembleia da República. Veja-se o caso mais recente de Mota Pinto, do PSD, transferido directamente para o Banco Espírito Santo. E, no Parlamento, o conflito de interesses, eufemismo de máfia, ultrapassa o que um mínimo de decência exigiria. Segundo dados de 2013:
- 49 deputados (PS, PSD, CDS) estão em órgãos sociais de empresas e 70 detêm participações de capital.

- 4 são elementos da Comissão de Saúde e, ao mesmo tempo, são parte interessada neste sector, como administradores de empresas de análises clínicas e de diagnóstico, directores e gerentes de empresas médicas, administradores de empresas com contratos de PPP com hospitais públicos ou consultores de uma empresa detida a 49,7% pela Associação Nacional de Farmácias. (Não é de estranhar que um destes fulanos, um tal Menezes, filho do pai, cuspa peçonha quando confrontado).
Não é de admirar, também, que Teresa Anjinho (CDS) e Sérgio Azevedo (PSD), accionistas de várias empresas, tenham sido os porta-vozes da maioria parlamentar no chumbo à proposta destas incompatibilidades. 

Apenas mais dois casos exemplificativos de como estamos a ser governados por uma máfia, agora mais evidente que nunca:
- Adolfo Mesquita Nunes, antes de entrar para o governo, integrava a comissão parlamentar a monitorizar o programa da Troika que, como todos sabemos, exige a privatização das empresas património do Estado, como a EDP ou a REN. Pois este indivíduo era consultor do escritório de advogados que, com honorários elevadíssimos, pagos por todos nós, assessorou a passagem daquelas empresas para mãos privadas.

- Eis um nome de que se tem falado mais, nestes últimos dias – João Moreira Rato, indigitado para a “nova” administração do BES, a fim de tentar disfarçar o roubo cometido no grupo Espírito Santo. Nomeado por Vítor Gaspar para a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, decidiu, na última semana, vender dívida pública em dólares (em vez de euros), o que tornará mais difícil, num futuro, qualquer renegociação dessa dívida. Este Rato, conselheiro privilegiado do Coelho, tem um currículo assinalável: depois de uma graduação em Finanças no berço dos Chicago Boys, a universidade de Chicago de Milton Friedman (o pai do ultraliberalismo e conselheiro de Pinochet), foi director executivo da Morgan Stanley, com a responsabilidade de soluções de mercado para a Península Ibérica, sem desgostar, certamente, o patrão. Ganhou experiência, depois, na área dos produtos financeiros “derivados” (mais conhecidos como tóxicos), no Lehman Brothers, o tal que despoletou a crise financeira a nível mundial, e no Goldman Sachs, o principal causador da crise grega, que continua a colocar os seus funcionários nos postos chave, como o de presidente do Banco Central Europeu. Por fim, este Rato, já bem conhecedor dos meandros da especulação, abre, em Portugal, aNau Capital, uma gestora de hedge funds (fundos de investimento especulativos sobre divisas, matérias-primas, etc., nada regulamentados e normalmente sedeados em paraísos fiscais) em parceria com... o grupo Espírito Santo.
Estamos, assim, a sofrer os crimes de uma máfia, composta por um grupo de padrinhos (1%), acolitado por 9% de esganados, capazes de destruir a vida de milhões de pessoas e vender ao desbarato um país inteiro.

Talvez, um dia...





  

sábado, 9 de setembro de 2017

Liberdade de expressão
I

Quem vai seguindo os telejornais portugueses reparou, certamente, que a Venezuela deixou de ser notícia desde que Lilian Tintori foi apanhada com 200 milhões de bolívares, em notas, no seu carro.
Não transmitiram, sequer, as explicações da senhora:




Primeiro, os 200 milhões seriam para pagar as despesas da “avozinha”, depois, porque não a deixavam abrir uma conta bancária e, por fim, o advogado afirma que o dinheiro se destinava a crianças pobres. Alguém estará a mentir…

Rubert Murdoch, o magnata dos meios de comunicação, disse, uma vez: “Nunca perderás dinheiro se menosprezares a inteligência do público”. Ora, este menosprezo não é feito apenas com mentiras ou meias-verdades, mas muito com ocultações.


Não é por acaso que algumas vozes se têm levantado no sentido de censurar as “redes sociais”. Se é verdade que aí muito lixo é vertido, também é verdade que só aí podemos encontrar informação honesta. E a censura proposta não visa, certamente, os tweets de Trump, mas, sim, de uma TeleSur tv ou de todos aqueles que denunciam, com fotos, vídeos, factos que os meios de comunicação dominantes escondem. Exemplo: esta reportagem da TeleSur mostra como uma jornalista do Canal 1 da Colômbia, comprou, por 8 milhões de pesos (2.800 dólares) Edgar Sevilla, ex-funcionário do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN), para fazer declarações contra a realidade Venezuela.

domingo, 3 de setembro de 2017


Na Venezuela não se pode roubar impunemente como em Portugal

La policía científica venezolana halló cuatro cajas de madera con 60.000 dólares en carro vinculado a Tintori.

Se cada venezuelano só pode levantar, por dia, 20 mil bolívares, como é que a mulher de Leopoldo López, Lilian Tintori, tinha escondidos, em 4 caixas de madeira, mais de 200 milhões? 
Apanhada em flagrante, explicou que esse dinheiro estava destinado "a pagar despesas familiares urgentes", como "as da avozinha, de 100 anos, hospitalizada há poucos dias". 
O caso foi entregue aos tribunais, onde terão de responder, também, os responsáveis do(s) banco(s) que lhe entregaram o dinheiro.
Em Portugal, que é uma "democracia", aqueles que desfalcaram a Caixa Geral de Depósitos (só um exemplo) não são sequer beliscados. Mas estamos nós a pagar o que eles roubaram: além dos 2.500 milhões injectados pelo governo, do aumento e introdução de comissões, fecho de balcões e despedimento de trabalhadores, o administrador Paulo Macedo declarou aqui que "Se a CGD não der lucro tem que pedir mais dinheiro aos contribuintes". Este senhor, depois de ter destruído grande parte do Serviço Nacional de Saúde, tem como prémio 30 mil euros por mês para silenciar os roubos e preparar a privatização da Caixa (que será outro roubo, se permitirmos)
Mas, a Venezuela é que é uma "ditadura"!

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Governo português cúmplice da agressão à Venezuela

O Sr. Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, declarou que Portugal não reconhece a Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela. Este facto, além de ser uma ingerência nos assuntos internos de outro país, violando a Carta das Nações Unidas, mostra a vassalagem do governo português aos EUA e neo-colonialistas europeus.
Trump ameaçou, primeiro, com uma intervenção militar. Recuou quando todos os países da América Latina (excepção para o Macri da Argentina) lhe disseram que não seria procedente, visto poder levantar todos os povos daquele continente. Avançou, então, com sanções financeiras, que irão afectar, sobretudo, o povo venezuelano. Quer a intervenção militar, quer estas sanções, têm sido pedidas pela extrema-direita venezuelana, de modo a agravar as dificuldades provocadas já pelas suas acções de violência e sabotagem económica.
A última desculpa para esta guerra aberta contra a Venezuela é a Assembleia Nacional Constituinte (ainda não se chegou às “armas de destruição maciça”).
Não deve ser por ignorar o que diz a Constituição venezuelana que o governo português, com tantos problemas para resolver, se imiscue nos assuntos de um país, que deveria considerar irmão, conhecendo a senha que se abateu sobre Portugal com a direita assumida ou encapotada.

Constituição da República Bolivariana da Venezuela, capítulo III:
Artigo 347. O povo da Venezuela é o depositário do poder constituinte originário. No exercício de tal poder, pode convocar uma Assembleia Nacional Constituinte com o objetivo de transformar o Estado, criar um novo ordenamento jurídico e redigir uma nova Constituição.

Artigo 348. A iniciativa de convocar a Assembleia Nacional Constituinte poderá tê-la o Presidente ou Presidenta da República no Conselho de Ministros; a Assembleia Nacional, mediante acordo de dois terços de seus integrantes; os Conselhos Municipais em cabildos, mediante o voto de dois terços dos mesmos; e 15% dos eleitores inscritos e eleitoras no registro eleitoral.

Artigo 349. O Presidente ou Presidenta da República não poderá contestar a nova Constituição.
Os poderes constituídos não poderão de forma alguma impedir as decisões da Assembleia Constituinte. Para efeitos da promulgação da nova Constituição, esta se publicará na Gazeta Oficial da República de Venezuela ou na Gazeta da Assembleia Constituinte.

Artículo 350. O povo da Venezuela, fiel à sua tradição republicana, à sua luta pela independência, pela paz e pela liberdade, desconhecerá qualquer regime, legislação ou autoridade que contrarie os valores, princípios e garantias democráticas ou menospreze os direitos humanos.





domingo, 27 de agosto de 2017



Marta Gómez escreveu a letra e destacados artistas venezuelanos uniram as suas vozes para repudiar as ameaças imperialistas contra a Venezuela. Veja aqui.



Para la guerra nada

Para el viento, una cometa*
Para el lienzo*, un pincel
Para la siesta, una hamaca*
Para el alma, un pastel
Para el silencio una palabra
Para la oreja, un caracol*
Un columpio* pa' la infancia
Y al oído un acordeón
Para la guerra, nada

Para el cielo, un telescopio
Una escafandra, para el mar
Un buen libro para el alma
Una ventana pa' soñar
Para el verano, una pelota*
Y barquitos de papel
Un buen mate* pa'l invierno
Para el barco, un timonel*
Para la guerra, nada

Para el viento, un ringlete*
Pa'l olvido*, un papel
Para amarte, una cama
Para el alma, un café
Para abrigarte, una ruana*
Y una vela pa' esperar
Un trompo* para la infancia
Y una cuerda pa' saltar
Para la guerra, nada

Para amar nuestro planeta
Aire limpio y corazón
Agua clara para todos
Mucho verde y más color
Para la tierra más semillas*
Para ti, aquí estoy yo
Para el mundo eternas lunas
Pregonando esta canción
Para la guerra, nada

(Para el sol, un caleidoscopio
Un poema para el mar
Para el fuego, una guitarra
Y tu voz para cantar
Para el verano bicicletas
Y burbujas de jabón*
Un abrazo pa' la risa
Para la vida, una canción
Para la guerra, nada)

Para el cielo un arcoíris
Para el bosque un ruiseñor*
(Para la guerra nada)
Para el campo una amapola*
Para el mar un arrebol
(Para la guerra nada)
Para la brisa una pluma*
Para el llanto* una canción
(Para la guerra nada)
Para el insomnio la Luna
Para calentarse el Sol
(Para la guerra nada)

__________________________________

*Glossário:
amapola – papoila
burbujas de jabón – bolas de sabão
caracol – búzio
columpio – baloiço
cometa- papagaio (brinquedo de papel)
hamaca – cama de rede
lienzo – tela (pintura)
llanto - choro
mate – bebida
olvido – esquecimento
pelota – bola
pluma – pena
ringlete – moinho de papel
ruana – capote
ruiseñor – rouxinol
semillas – sementes
timonel – timoneiro
trompo – pião



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

O assessor de segurança do presidente Jimmy Carter : “Eu criei o terrorismo jihadista e não me arrependo!”

Por Nazanín Armanian *

“Que é mais importante para a história do mundo? O Talibã ou o colapso do império soviético?” É a resposta de quem foi o assessor de segurança do presidente Jimmy Carter, Zbigniew Brzezinski, à pergunta da revista francesa Le Nouvel Observateur, de 21 de Janeiro de 1998, sobre as atrocidades que cometem os jihadistas de Al-Qaeda. Uma arrepiante falta de ética de indivíduos como ele que destroem a vida de milhões de pessoas para alcançar os seus objectivos.
Nesta entrevista, Brzezinski confessa outra realidade: que os jihadistas não vieram do Paquistão para libertar a sua pátria dos ocupantes infiéis soviéticos, mas que seis meses antes da entrada do exército vermelho no Afeganistão, os EUA puseram em marcha a Operação Ciclone a 3 de Julho de 1979, enviando 30.000 mercenários armados, inclusivamente com mísseis Tomahawk, para o Afeganistão, com o intuito de arrasar o país, difundir o terror, derrubar o governo marxista do Doutor Nayibolá e montar uma armadilha à URSS: convertê-lo no seu Vietname. E conseguiram. À sua passagem, violaram milhares de mulheres, decapitaram milhares de homens e provocaram a fuga de cerca de 18 milhões de pessoas dos seus lares, quase nada. Caos que continua até hoje.
Esta foi a pedra angular em que assenta o terrorismo “jihadista” e a que Samuel Huntington deu cobertura teórica com o seu Choque de Civilizações. Conseguiram, assim, dividir os pobres e deserdados do Ocidente e Oriente, fazendo com que se matassem no Afeganistão, Iraque, Jugoslávia, Iémene, Líbia e Síria, confirmando as palavras Paul Valéry: “A guerra é um massacre entre gentes que não se conhecem, para proveito de gentes que se conhecem mas não se massacram.”
Conseguiram, pois, neutralizar a oposição de milhões de pessoas às guerras e converter em ódio a empatia. Com o método nazi de “uma mentira repetida mil vezes converte-se numa verdade”:
·         O atentado de 11 de Setembro não o cometeram os talibãs afegãos. A CIA, em 2001, tinha implicado o governo da Arábia Saudita no massacre. Porquê, então, os EUA invadiram e ocuparam o Afeganistão?

·         As armas de destruição maciça o Iraque não as tinha. O único país do Próximo Oriente que as possui, e de forma ilegal, é Israel e graças aos EUA e à França.

·         Tão-pouco os EUA necessitavam invadir o Iraque para deitar a mão ao petróleo. Demolir o Estado iraquiano tinha vários motivos, como eliminar um potencial inimigo de Israel e ocupar militarmente o coração do Próximo Oriente, convertendo-se em vizinho do Irão, Arábia Saudita e Turquia.

·         As cartas com antrax que, nos EUA, mataram 5 pessoas, em 2001, não as enviou Saddam Husein como jurava Colin Powell, mas Bruce Ivins, biólogo dos laboratórios militares de Fort Derrick, Maryland, que “se suicidou” em 2008.

·         Ocultaram a (possível) morte de Bin Laden, agente da CIA, até à pantomina organizada a 1 de Maio de 2011 por Obama, no assalto hollywoodesco dos SEAL a um domicílio em Abottabad, apesar da ex-primeira ministra do Paquistão, Benazir Bhutto ter afirmado, a 2 de Novembro de 2007, que o saudita tinha sido assassinado por um possível agente do M16 (porventura em 2002). Benazir foi assassinada quase um mês depois desta revelação. Manter “vivo” Bin Laden durante 8 a 9 anos serviu aos EUA para aumentar o orçamento do Pentágono (de 301 mil milhões de dólares, em 2001, para 720 mil milhões, em 2011), incrementar os contratos de armas com a Boeing, Lockheed Martin, Raytheon, etc., e vender milhões de aparelhos de segurança e câmaras de vídeo vigilância, montar prisões ilegais pelo mundo, legitimar e legalizar o uso da tortura, praticar assassinatos selectivos e colectivos (chamados “danos colaterais”) e concederem a si mesmos o direito exclusivo de invadir e bombardear o país que desejarem.

Uma vez testados no Afeganistão, a NATO enviou estes “jihadistas” para a Jugoslávia com o nome de Exército de Libertação do Kosovo e depois para a Líbia, pondo-lhes o nome de Ansar al Sharia e para a Síria onde primeiro lhes chamou “rebeldes” e, depois, lhes deu outros cinco ou seis nomes diferentes. Nesta corporação terrorista internacional, a CIA encarrega-se do treino, a Arábia Saudita e o Quatar da “caixa automática”, como disse o ministro alemão do Desenvolvimento, Gerd Mueller, e a Turquia, membro da NATO, acolhe, treina e trata os homens do Estado Islâmico. Os mesmos países que formam a “coligação anti-terrorista”.
Como é que dezenas de serviços de informação e exércitos de cerca de 50 países, meio milhão de efectivos da NATO instalados no Iraque e no Afeganistão, que gastaram milhares de milhões de dólares e euros na “guerra mundial contra o terrorismo” durante 15 largos anos, não puderam acabar com uns milhares de homens armados com espada e adaga da AL-Qaeda?


Assim fabricaram o Estado Islâmico
Síria, finais de 2013. Os neocon aumentam a pressão sobre o presidente Obama para enviar tropas para a Síria e necessitam um casus belli. O veto, no Conselho de Segurança, da Rússia e da China a uma intervenção militar, ausência de uma alternativa capaz de governar o país uma vez derrubado ou assassinado o presidente Assad, o temor a uma situação caótica na fronteira de Israel, eram parte dos motivos de Obama a negar-se. Contudo, o presidente e os seus generais perdem a batalha e os sectores mais belicistas do Pentágono e da CIA, o Quatar, a Arábia Saudita, a Turquia e os meios de comunicação afins assaltam a opinião pública com imagens de decapitações e violações cometidas por um certo Estado Islâmico. Quando o mundo aceita que “há que fazer algo” e não ter a autorização da ONU para atacar a Síria, o Pentágono, bombeiro pirómano, desenha uma engenharia militar especial:
1.    Transfere em Junho de 2014 um sector do Estado Islâmico da Síria para o Iraque, país sob o seu controle, deixando que ocupe tranquilamente 40% do país a aterrorizar cerca de 8 milhões de pessoas, a matar milhares de iraquianos, a violar mulheres e raparigas.

2.    Organizou uma poderosa campanha de propaganda sobre a crueldade do Estado Islâmico, semelhante à que fizeram com as lapidações dos talibãs às mulheres afegãs e, assim, poder “libertar” aquele país. Até a eurodeputada Emma Bonino caiu no embuste, encabeçando a luta contra a burka, olhando o dedo em vez da lua!

3.    Afirmou que, ao instalar-se o quartel-general dos terroristas na Síria, deviam atacar a Síria.

4.    Obama demitiu de forma fulminante o primeiro-ministro iraquiano Nuri al Maliki, por opor-se ao uso do território iraquiano para atacar a Síria.

5.    Objectivo conseguido: os EUA puderam, por fim, bombardear ilegalmente a Síria, a 23 de Setembro de 2014, sem tocarem nos “jihadistas” do Iraque. Graças ao Estado Islâmico, hoje os EUA (e França, Grã-Bretanha e Alemanha) contam com bases militares na Síria, pela primeira vez na sua história, donde poderão controlar toda a eurásia. A Síria deixa de ser (depois da queda da Líbia em 2001pela NATO) o único país do Mediterrâneo livre de bases militares dos EUA.

6.    E o surpreendente é que, desde esta data até Julho de 2017, o Estado Islâmico mantém ocupado o norte do Iraque sem que dezenas de milhares de soldados dos EUA tenham feito absolutamente NADA. Por fim, o exército iraquiano e as milícias estrangeiras chiitas libertam Mossul, isso sim, cometendo terríveis crimes de guerra contra os civis.

O terrorismo na estratégia do “Império do Caos”
O terrorismo “jihadista” cumpre 4 funções principais para os EUA: militarizar a atmosfera nas relações internacionais, em prejuízo da diplomacia; arrebatar as conquistas sociais, instalando estados policiais (os atentados de Boston, de Paris e inclusivamente o de Orlando) e uma vigilância a nível mundial; ocultar as decisões vitais aos cidadãos; fazer de buldózer, aplanando o caminho da invasão das suas tropas em determinados países e provocar o caos, e não como meio mas como objectivo em si.
Se durante a Guerra Fria Washington mudava os regimes na Ásia, na África e na América Latina mediante golpes de Estado, hoje para ajoelhar os povos indomáveis, recorre a bombardeamentos, envia esquadrões da morte, impõe sansões económicas, para matá-los, debilitá-los, deixá-los sem hospitais, água potável e alimentos, com o fim de que não levantem a cabeça durante gerações. Assim, converte poderosos Estados em Estados falidos, para se moverem sem impedimentos pelos seus territórios sem governo.
Os EUA que, desde 1991, são a única superpotência mundial, têm sido incapazes de manter o controlo dos países invadidos, devido ao surto de outros actores e alianças regionais que reivindicam o seu lugar no mundo novo.
E como não come nem deixa comer, os EUA decidiram, provocando o caos, sabotar a criação de uma ordem multipolar que tenta gerir-se a si mesma; debilita os BRICS, conspirando contra Dilma Russef e Lula no Brasil; impede uma integração económica na eurásia, proposta pela Rússia à Alemanha mas arquivada com a guerra na Ucrânia e mina o projecto chinês da Nova Rota da Seda e de uma integração geoeconómica da Ásia-Pacífico, que cobriria dois terços da população mundial. Em contrapartida, cria alianças militares como a “NATO sunita” e organizações terroristas com o propósito de afundar o Próximo Oriente em longas guerras de religião.
Anunciar que desenhou um plano para a “mudança de regime” no Irão, um imenso e povoado país, perante a dificuldade de uma agressão militar, significa que porá em marcha uma política de desestabilização do país, mediante atentados e tensões étnico-religiosas. A mesma política que pode aplicar à Coreia do Norte, Venezuela ou Bolívia e a outros da sua lista do “Eixo do Mal” e todos os meios para perpetuar a sua absolutista hegemonia global. Que tentasse derrubar o seu aliadoTayyeb Erdogan é o cúmulo da intolerância. Antes dos trágicos atentados na Catalunha, o Estado Islâmico atacou a aldeia afegã de MIrza Olang. Encheu várias valas comuns com pelo menos 54 cadáveres de mulheres e homens e três meninos decapitados e levou umas 40 mulheres e meninas para violá-las.
Conclusão: o “jihadismo” não é fruto da exclusão dos muçulmanos nem sequer se trata da lógica dos vasos comunicantes e regresso dos “terroristas que criámos no Oriente”. “A vossa causa é nobre e Deus está convosco”, disse Zbigniew Brzezinski às suas criaturas, os jihadistas.

20 de Agosto de 2017

_______________________

* “Deixei metade da minha vida nas minhas terras persas e, quando aterrei nesta península de acolhimento, amada plataforma de exigência de pão e paz para todos, pus-me a exercer o desconcertante ofício de exilado: conhecer, aprender, admirar, transmitir, revelar e denunciar. Estes últimos aproveitando as aulas na universidade, os meios de comunicação e uma dezena de livros como “Robaiyat de Omar Jayyam” (DVD ediciones, 2004), “Kurdistán, el país inexistente” (Flor del viento, 2005), “Irak, Afganistán e Irán, 40 respuestas al conflicto de Oriente Próximo” (Lengua de Trapo, 2007 y “El Islam sin velo” (Bronce, 2009)”.


sábado, 12 de agosto de 2017




As ameaças de Trump à Venezuela são acompanhadas do mesmo discurso que Hitler fazia quando falava do "Reich dos mil anos". Trágico é os meios de comunicação, na sua maioria, servirem de 5ª coluna, abrindo o caminho à loucura de "fogo e fúria".


Esta imagem, retirada de um jornal espanhol, reproduz a foto de uma bomba, activada à distância, pela oposição, para atingir um grupo de polícias. No entanto, neste jornal e em muitos portugueses, serviu para ilustrar a repressão do governo de Maduro.
O texto de Juan Carlos Monedero analisa a situação política, social e económica venezuelana, da perspectiva de quem conhece muito bem aquele país, assumindo sobretudo a defesa dos Direitos Humanos.
_________________________________________________________________

11 TESES SOBRE A VENEZUELA E UMA CONCLUSÃO DITADA PELA EXPERIÊNCIA

                                                                    Por Juan Carlos Monedero


“E empenhava-se em repetir o mesmo: “Isto não é como numa guerra… Numa batalha tens o inimigo pela frente… Aqui, o perigo não tem rosto nem horário”. Negava-se a tomar somníferos ou calmantes: “Não quero que me apanhem a dormir ou amodorrado. Se vierem por mim, defender-me-ei, gritarei, atirarei os móveis pela janela… Armarei um escândalo…”
                                                     Alejo Carpentier, A Consagração da Primavera

1    É indubitável que Nicolás Maduro não é Allende. Tão-pouco é Chávez. Porém, os que perpetraram o golpe contra Allende e contra Chávez são, e isso também é indubitável, os mesmos que estão, agora, intentando um golpe na Venezuela.

2.    Os inimigos dos teus inimigos não são os teus amigos. Podes não gostar de Maduro sem que isso implique esqueceres que nenhum democrata pode pôr-se ao lado dos golpistas, que inventaram os esquadrões da morte, os voos da morte, o paramilitarismo, o assassinato da cultura, a operação Condor, os massacres de camponeses e indígenas, o roubo dos recursos públicos. É compreensível que haja gente que não quer pôr-se do lado de Maduro, mas convém pensar que, no lado que apoia os golpistas, estão, na Europa, os políticos corruptos, os jornalistas mercenários, os nostálgicos do franquismo, os empresários sem escrúpulos, os vendedores de armas, os que defendem os ajustamentos económicos, os que festejam o neoliberalismo. Nem todos os que criticam Maduro defendem essas posições políticas. Conheço gente honesta que não suporta o que se está passando agora mesmo na Venezuela. É evidente, porém, que do lado dos que estão intentando um golpe militar nesse país, estão os que sempre apoiaram os golpes militares na América Latina ou os que põem os seus negócios acima do respeito pela democracia. Os meios de comunicação que estão a preparar a guerra civil na Venezuela são os mesmos conglomerados mediáticos que venderam que no Iraque havia armas de destruição maciça, que nos vendem que temos de resgatar os bancos com dinheiro público ou que defendem que a orgia dos milionários e dos corruptos temos que pagá-la entre todos com cortes e privatizações. Saber que se compartilha a trincheira com semelhante gente deveria fazer reflectir. A violência deve ser sempre a linha vermelha que não se deve ultrapassar. Não faz sentido que o ódio a Maduro ponha alguém decente ao lado dos inimigos dos povos.

3   Maduro herdou um papel muito difícil – gerir a Venezuela num momento de queda dos preços do petróleo e do regresso dos EUA à América Latina, depois da terrível aventura no Médio Oriente – e uma missão impossível – substituir Chávez. A morte de Chávez privou a Venezuela e a América Latina de um líder capaz de pôr em marcha políticas que tiraram da pobreza 70 milhões de pessoas no continente. Chávez entendeu que a democracia num só país era impossível e serviu-se dos seus recursos, num momento de acalmia, graças à recuperação da OPEP, para que se iniciasse a etapa mais luminosa das últimas décadas no continente: Lula no Brasil, Correa no Equador, Morales na Bolívia, Kirchner na Argentina, Lugo no Paraguai, Mujica no Uruguai, Funes em El Salvador, Petro em Bogotá e, inclusivamente, Bachelet no Chile, referenciavam essa nova etapa. A educação e a saúde chegaram aos sectores populares, completou-se a alfabetização, construíram-se habitações sociais, novas infraestruturas, transportes públicos (depois da sua privatização ou a venda e supressão dos comboios), travou a dependência do FMI, debilitou os laços com os EUA, criando a UNASUR e a CELAC.
Há, também, sombras, principalmente ligadas à debilidade estatal e à corrupção. Mas seria necessário um século para que os casos de corrupção nos governos progressista da América Latina somem, para citar só um aspecto, o custo da corrupção que o resgate bancário significa. A propaganda dos senhores da propaganda acaba por conseguir que o oprimido ame o opressor. Nunca, desde a demonização de Fidel de Castro, nenhum líder latino-americano foi tão vilipendiado como Hugo Chávez, que, para repartir pelos pobres, teve de dizer aos ricos, da América e também da Europa, que tinham de ganhar um pouco menos. Nunca toleraram isso, o que é compreensível, especialmente em Espanha, onde, a meio da crise, responsáveis económicos e políticos do Partido Popular roubavam às mãos cheias ao mesmo tempo que diziam às pessoas que tinham que apertar o cinto. Ia Chávez, esse “gorila”, travar-lhes os negócios? Desde que ganhou as primeiras eleições em 1998, Chávez teve de enfrentar numerosas tentativas para derrubá-lo. Claro está, com a inestimável ajuda da direita espanhola, primeiro com Aznar, logo com Rajoy e a já conhecida participação de Felipe González como lobistas dos grandes capitais (é curioso que o mesmo Aznar que fez negócios com a Venezuela e com a Líbia se tenha convertido de imediato em executor quando lho ordenaram. Kadafi, inclusivamente, presentiou Aznar com um cavalo. Pablo Casado foi o assistente de Aznar nessa operação e, de imediato, coisas da direita, festejaram o seu assassinato).

4.    Chávez não legou a Maduro os equilíbrios nacionais e regionais que construiu, políticos, económicos e territoriais. Eram uma construção pessoal, num país que saía das taxas de pobreza de 60% da população, quando Chávez chegou ao governo. Há mudanças que necessitam uma geração. É aí onde a oposição pretende estrangular Maduro, com problemas mal resolvidos como as importações, os dólares preferenciais ou as dificuldades de travar a corrupção que desembocam no desabastecimento. Contudo, Maduro soube reeditar o acordo “cívico-militar” que tanto contraria os amigos do golpismo. Coisa evidente, pois os EUA sempre fizeram os golpes procurando apoios em militares autóctones, mercenários e desertores. Os exércitos na América Latina só se explicam na sua relação com os EUA, que os formaram, quer em tácticas de tortura ou “luta contra- insurrecional”, quer no uso das armas que lhes vendem ou no respeito devido aos interesses norte-americanos. Na Venezuela, os mesmos que formaram os assassinos da Escola Mecânica da Armada argentina ou que ampararam o assassino Pinochet têm mais dificuldades (o assalto por parte de mercenários vestidos de militares a um quartel em Carabobo tinha em mira construir a sensação de fissuras no exército, algo que nos dias de hoje não parece existir). Tal como compraram militares, os EUA sempre compraram juízes, jornalistas, professores, deputados, senadores, presidentes, sicários e quem fizer falta para manter a América como o seu “pátio traseiro”. O cartel mediático internacional sempre lhes cobriu as costas. A existência dos EUA como império é que construiu o exército venezuelano. Os novos oficiais formaram-se no discurso democrático soberano e anti-imperialista. A sua maioria. Há também uma oficialidade – a maioria já a reformar-se – que se formou na velha escola e as suas razões para defenderem a Constituição venezuelana serão mais particulares. As deficiências do Estado venezuelano também afectam o exército, sobretudo em zonas problemáticas como as fronteiras. Mas os quartéis na Venezuela estão com o Presidente constitucional. E, por isso, é ainda mais patético ouvir o democrata Felipe González pedir aos militares venezuelanos que dêem um golpe contra o governo de Nicolás Maduro.

5.    A estas dificuldades de terem herdado os equilíbrios estatais e os acordos na região (a amizade de Chávez com os Kirchner, com Lula, com Evo, com Correa, com Hugo) há que acrescentar que a guerra da Arábia Saudita com o fracking (1) e com a Rússia afundou os preços do petróleo, a principal riqueza da Venezuela. Esta inesperada queda do preço do petróleo colocou o governo de Maduro numa situação complicada (é o problema das “monoculturas”. Para entender isso, basta pensar no que aconteceria em Espanha se o turismo se afundasse em 80% por causas alheias a um governo. Rajoy conseguiria 7 ou 8 milhões de votos numa situação assim?). Maduro teve que reconstruir os equilíbrios do poder num momento de crise económica brutal.

6.    A oposição na Venezuela anda a tentar dar um golpe de Estado desde o próprio dia em que Chávez ganhou. A Venezuela foi a figura de proa da mudança continental. Acabar com a Venezuela é retirar o tampão para que aconteça o mesmo nos sítios onde o neoliberalismo não regressou ainda. Às oligarquias incomodam-lhes os símbolos que debilitam os seus pontos de vista. Passou-se com a II República em 36, passou-se no Chile com Allende em 1973. Acabar com a Venezuela chavista é regressar à hegemonia neoliberal e, inclusivamente, às tentações ditatoriais dos anos 70.


7.    A Venezuela tem, para mais, as maiores reservas de petróleo do mundo, de água, de biodiversidade, o Amazonas, ouro e coltan (talvez a maior reserva do mundo). Os mesmos que levaram a destruição à Síria, ao Iraque ou à Líbia, para roubar-lhes o petróleo, querem fazer o mesmo na Venezuela. E, previamente, necessitam ganhar a opinião pública para que o roubo não seja tão evidente. Necessitam reproduzir na Venezuela a mesma estratégia que construíram quando falavam de armas de destruição maciça no Iraque. Ou não houve muita gente honesta que acreditou haver armas de destruição maciça no Iraque? Hoje, aquele país, antes próspero, é uma ruína. Quem acreditou naquelas mentiras do PP que veja como está, hoje, Mossul. Parabéns aos ingénuos! As mentiras continuam todos os dias. A oposição pôs uma bomba à passagem de polícias em Caracas e todos os meios de comunicação impressos publicaram a fotografia como se a responsabilidade fosse de Maduro. Um helicóptero roubado lançou granadas contra o Tribunal Supremo e os meios de comunicação silenciaram. São actos terroristas. Desses que abrem as primeiras páginas e os telejornais. Excepto quando sucedem na Venezuela. Um referendo ilegal na Venezuela “pressiona o regime até ao limite”. Um referendo ilegal na Catalunha é um acto que raia o delito de insurreição.

8.    O cartel mediático internacional encontrou um filão. Trata-se de uma reedição do medo perante a Rússia comunista, a Cuba ditatorial ou o terrorismo internacional (nunca dirão que o ISIS é uma construção ocidental, financiada com capital norte-americano, principalmente). A Venezuela converteu-se num novo demónio. Isso permite-lhes acusar os adversários de “chavistas” e evita falar da corrupção, do esvaziamento da caixa das pensões, da privatização dos hospitais, escolas e universidades ou dos resgates bancários. Mélenchon, Corbyn, Sanders, Podemos ou qualquer força de mudança na América Latina são desqualificados com a acusação de chavistas, numa altura em que acusar de comunista ou de etarra já não colhe. O jornalismo mercenário leva anos com esta estratégia. Nunca ninguém explicou que política genuinamente bolivariana está nos programas dos partidos da mudança. Mas pouco importa. O importante é difamar. E gente de boa vontade acaba por crer que há armas de destruição maciça ou que a Venezuela é uma ditadura onde, curiosamente, todos os dias a oposição se manifesta (inclusivamente atacando instalações militares), onde os meios de comunicação criticam livremente Maduro (não como na Arábia Saudita, Marrocos ou EUA) ou onde a oposição governa em municípios e regiões. É a mesma táctica que, durante a guerra fria, construiu o “perigo comunista”. Por isso, em Espanha temos, com a Venezuela, uma nova Comunidade Autónoma de que só falta dizerem-nos, no final dos telejornais, que tempo vai fazer em Caracas nesse dia. Cada cem vezes que se diz “Venezuela”, 95 só procuram distrair, ocultar ou mentir.

9.    A Venezuela tem um problema histórico que não está resolvido. Por carecer de minas enquanto foi colónia, não foi um vice-reino, mas simples capitania-geral. O século XIX foi uma guerra civil permanente e, no século XX, quando começou a construir o Estado, já tinha petróleo. O Estado venezuelano foi sempre rentista, carente de eficácia, corroído pela corrupção e refém das necessidades económicas dos EUA em conluio com as oligarquias locais. O choque entre o Parlamento e a chefia do Estado actual deveria ter sido resolvido juridicamente. Sinais de ineficiência vêm sendo evidentes desde há muito. O rentismo venezuelano nunca foi superado. A Venezuela redistribuiu a renda do petróleo pelos mais humildes, mas não superou essa cultura política rentista, nem melhorou o funcionamento do Estado. Não nos enganemos, porém. O Brasil tem uma estrutura jurídica mais consolidada e o Parlamento e alguns juízes deram um golpe de Estado contra Dilma Roussef. Donald Trump pode mudar o Procurador-Geral e não se passa nada, mas se Maduro o faz, chefe de Estado igualmente eleito em eleições, é acusado de ditador. Parte das críticas a Maduro é mentirosa porque esquece que a Venezuela é um sistema presidencialista. É por isso que a Constituição permite ao Presidente convocar uma Assembleia Constituinte. Gostar-se-á mais ou menos, mas o artigo 348 da Constituição vigente da Venezuela faculta ao Presidente essa tarefa, tal como em Espanha o Presidente do Governo pode dissolver o Parlamento.

10. Zapatero e outros ex-presidentes, o Papa, as Nações-Unidas vêm pedindo a ambas as partes, na Venezuela, que dialoguem. A oposição reuniu cerca de sete milhões de votos, embora seja mais complicado que possam chegar a um acordo em torno de um só candidato ou candidata à presidência do país). Maduro, num contexto regional muito complicado, com fortes apertos económicos que afectam a compra de produtos básicos, incluindo medicamentos, juntou oito milhões de votos (mesmo que fossem sete, segundo as declarações tão suspeitas do presidente do Smarmatic, que acaba de assinar um contrato milionário na Colômbia). A Venezuela está claramente dividida. A oposição, como de outras vezes, optou pela violência e, portanto, não entende que Maduro some tantos milhões de votos. Se em Espanha um grupo queimasse centros de saúde e escolas, disparasse contra o Tribunal Supremo, assaltasse quartéis, contratasse marginais para semear o terror, impedisse, com lutas de rua, o trânsito, e, inclusivamente, queimasse vivas as pessoas por pensarem diferentemente, alguém estranharia que a cidadania votasse na direcção contrária à desses loucos?

11. Fracassada a via violenta, à oposição venezuelana restam duas possibilidades: continuar com a via insurrecional, alentada pelo Partido Popular, Donald Trump e a extrema-direita internacional, ou tentar ganhar nas urnas. Os EUA continuam a pressionar (em declarações a um semanário uruguaio, o Presidente Tabaré disse que votou a expulsão ilegal da Venezuela do Mercosur por medo às represálias dos países grandes). 57 países da Nações Unidas exigiram que se respeite a soberania da Venezuela. Como os EUA não conseguem maioria para forçar a Venezuela, insistem em inventar espaços (como a declaração de Lima, sem qualquer força jurídica, por não ter conseguido maioria na OEA). A direita mundial quer acabar com a Venezuela, mesmo que isso custe sangue e fogo à população venezuelana. Por isso, alguns opositores, como Henry Ramos-Allup, apelaram ao fim da violência. A Venezuela tem no horizonte eleições municipais e regionais. Esse é o cenário onde a oposição deveria demonstrar a maioria que reclama. A Venezuela tem que convocar essas eleições e é uma excelente oportunidade para medir forças, eleitoralmente. Porque, de contrário, o choque que estamos a ver enquistar-se-á e converter-se-á numa gangrena terrível. A quem interessa uma guerra civil na Venezuela? Não nos enganemos. Os direitos humanos não interessam nem ao PP, nem a Trump. Se fosse assim, romperiam com a Arábia Saudita, que vai decapitar 15 jovens por manifestarem-se durante a Primavera árabe e dá chicotadas às mulheres que conduzem ou com a Colômbia onde sobem a 150 os assassinatos pelos paramilitares, nos últimos meses; ou no México, onde se assassina cada mês a um jornalista e aparecem valas comuns com dezenas de cadáveres. Penas de 75 anos estão-se pedindo nos EUA para manifestantes contra as políticas de Trump. A Venezuela converteu-se, em Espanha, na 18ª comunidade autónoma, só porque o presidente Rajoy teve de comparecer como testemunha pela corrupção do seu Partido. É mais fácil falar da Venezuela do que da corrupção dos 800 processados do PP. E há ingénuos que acreditam neles! Que dirão agora, quando a maior parte da oposição aceitou participar nas eleições regionais? O pacto entre o PSOE e Podemos, em Castilla-la-Mancha foi apresentado pela direita manchega como o começo da venezuelização de Espanha. Quanto descaramento e quanta estupidez! E há gente que acredita neles! Entretanto o PP guarda silêncio perante, por exemplo, as perseguições que a ditadura monárquica marroquina faz em Espanha aos dissidentes políticos ou por ordem do ditador Erdogan prende um jornalista crítico da ditadura turca. Haverá alguém que nos diga que a estes governos lhes interessa os direitos humanos?

Conclusão: Não é preciso estar de acordo, nem pouco mais ou menos, com Maduro e a sua maneira de fazer as coisas, para não aceitar o golpe de Estado que se quer construir na Venezuela. Estamos a falar de não voltar a cometer os mesmos erros, acreditando nas mentiras que os meios de comunicação constroem. A Venezuela tem de resolver os seus problemas, dialogando. É evidente que tem problemas. Mas, duas metades enfrentadas não vão a lado nenhum, monologando. Mesmo que uma parte seja apoiada pelos países mais poderosos do âmbito neoliberal. Nem o PP nem a direita querem diálogo. Querem que Maduro se entregue. E crê alguém que 8 milhões de votantes da Assembleia Constituinte iam ficar de braços cruzados? O novo governo reprimi-los-ia e, inclusivamente, assassiná-los-ia. Os meios de comunicação diriam que a democracia venezuelana estava a defender-se dos inimigos da democracia. E voltaria a haver gente ingénua que acreditaria neles. Do resto do mundo, em nome da democracia, bastam duas coisas: exigir e encorajar o diálogo na Venezuela e entender que seria bom não permitir nem ao PP, nem às direitas internacionais, começando por Donald Trump, reeditar uma das suas misérias mais horríveis que consiste em semear a dor noutros sítios, para ocultar a dor que provocam nos nossos próprios países.